Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

sábado, 15 de julho de 2017

O Sentido da Vida

videoNão existe nenhuma circunstância na vida capaz de nos tornar superior a qualquer outra pessoa. Levantamos todos os dias simplesmente para ser melhor do que fomos ontem. Estamos reconstruindo dia a dia ao preço de muita luta e sofrimento a essência que perdemos no solitário deserto das misérias humanas. O verdadeiro sentido da vida não é ser melhor que alguém, mas sim o de ser melhor que nós mesmos.
Todos somos espíritos a caminho dessa luz inesgotável que é Deus. Como mariposas solitárias volitamos em torno dela sem ainda suportar-lhe a claridade que nos desnuda a alma de toda vaidade e orgulho.
Muitos se vangloriam da beleza, da riqueza ou da posição social. No entanto, tudo isso não passa de fugazes momentos que o vento da realidade é capaz de varrer em questão de segundos. A beleza desaparece ante a doença demolidora, a riqueza, infiel como ela só, muda de mãos a todo momento e a posição social é um castelo de ilusões que se desmancha sob o sol escaldante da miséria.
Não precisamos chegar em primeiro, precisamos apenas chegar. Respeite o ritmo e a condição dos amigos anônimos que Deus coloca em seu caminho. Eles estão diante de você para que aprendas o valor da amizade e do respeito. Muitos não têm a mesma condição e nem as oportunidades que a vida lhe ofereceu. Mas eles não são piores que você. Isso é com Deus e não com os homens.
Ninguém poderá chegar diante de Deus com as mãos vazias. É preciso que levemos conosco as flores sublimes da caridade. E, jamais alguém conseguirá, por mais rico e importante que seja, amealhar as sementes da caridade, sem aprender primeiro a amar ao próximo como a si mesmo.

sábado, 1 de abril de 2017

5 Atitudes altruístas que mudaram o mundo

O mundo seria um lugar muito mais bonito se todos praticássemos o altruísmo. Aliás, você sabe REALMENTE o que isso significa?
Ser altruísta é ajudar o próximo, ou seja, ser solidário com as emoções e sentimentos alheios, dando o máximo de apoio para que a outra pessoa consiga superar os seus obstáculos e ser feliz.
"O que eu ganho com isso?" - esta definitivamente não é uma pergunta que cabe ao altruísmo. Este ato é feito sem esperar absolutamente nada em troca. A recompensa que o indivíduo altruísta recebe por suas ações é ver o sorriso no rosto daqueles de conseguiu ajudar.
Quer exemplos? Então confira algumas atitudes altruístas feitas por personalidades marcantes que ajudaram a levar mais dignidade e felicidade para a vida de milhões de pessoas!

5. Diana, Princesa de Gales

Princesa Diana
Bela, elegante, sorridente e um ícone da moda. São vários os adjetivos que podemos usar para qualificar Lady Di, mas nenhum é mais verdadeiro do que ALTRUÍSTA.
Conhecida como a "Princesa do Povo", a luta de Diana por apoiar os grupos menos favorecidos foi constante ao longo de quase toda a sua vida.
As campanhas de conscientização sobre a AIDS - que ainda era um tabu gigantesco em meados dos anos 80 - e a luta contra as minas terrestres espalhadas por vários países do continente africano, que diariamente ceifavam a vida de várias pessoas, são apenas alguns destaques que marcaram o trabalho de caridade da princesa Diana.
Não restam dúvidas que as atitudes filantrópicas da princesa mais amada do mundo serviram (e servem) de inspiração para milhares de pessoas, em especial às jovens que veem em Diana um modelo de força, independência e solidariedade.

4. Santa Teresa de Calcutá

Santa Teresa Calcuta
Mesmo com algumas controvérsias é inegável o impacto que os inúmeros trabalhos de caridade da Santa Teresa de Calcutá (foi canonizada em setembro de 2016, pelo Papa Francisco) tiveram para a vida das pessoas.
Mesmo décadas após a sua morte, as mensagens de paz e amor da "Santa das Sarjetas" ainda ecoam fortemente por todo o mundo!
Madre Teresa vivia cotidianamente com um único objetivo: a caridade. Com a fundação da congregação religiosa Missionárias da Caridade, a Santa conseguiu auxiliar milhares de pessoas inválidas e pobres em mais de 130 países.
A sua incansável luta contra o abandono daqueles que sofriam e que eram ignorados pela sociedade, fez com que Madre Teresa fosse laureada com um Nobel da Paz em 1979.
Saiba mais sobre o que significa ser Altruísta.

3. Nelson Mandela

Nelson Mandela
A famosa luta de Mandela contra um dos regimes mais injustos e cruéis que a Humanidade já presenciou - o apartheid - é uma das principais fontes de inspiração para milhões de pessoas.
Mandela nasceu numa família de nobreza tribal e tinha tudo para ocupar um cargo de chefia, mas recusou esta oportunidade e dedicou toda a sua vida a defesa dos direitos humanos.
Este líder também é um ícone da resiliência humana, teve que enfrentar 27 anos preso numa cela minúscula, abdicando de sua liberdade e da companhia de seus familiares, tudo isso em prol de um propósito comum: a igualdade de direitos entre todos os seres humanos.
Quer uma definição mais perfeita do que consiste o altruísmo do que a vida de Mandela? É díficil...
Ver também: Histórias comoventes sobre a Resiliência Humana.

2. Malala Yousafzai

Malala
Morando num território ameaçado pelo regime talibã, esta paquistanesa não se calou perante as injustiças que eram praticadas contra as mulheres de seu país, em especial a proibição de frequentarem a escola.
Com apenas 11 anos de idade, Malala começou a chamar atenção de todo o mundo através de seus textos (mantidos num blog) que narrava a dura realidade dos paquistaneses sob o regime terrorista.
Mesmo sabendo que estava a pôr a sua vida em risco, a jovem nunca se calou ou teve medo das opressões do regime talibã. Em 2012, no entanto, acabou sendo vítima de um atentado. Atingida por 3 tiros, Malala esteve em estado crítico e inconsciente por muitos dias.
Quando se recuperou, a força de vontade de Malala e empenho para denunciar os horrores que seu país estava vivendo se tornou mais intenso.
Considerada a pessoa mais jovem a receber um Nobel da Paz (com apenas 17 anos), Malala é uma "injeção de motivação" para aqueles que estavam desacreditados na Humanidade. Mesmo em meio a tanto sofrimento e desonestidade, existem pessoas fortes, dignas, resilientes e que colocam o amor ao próximo como prioridade em suas vidas.
Bravo, Malala. Bravo!

1. Jesus Cristo

Jesus Cristo
Se existe uma personalidade que mudou totalmente o modo com as pessoas enxergam o mundo, este foi Jesus Cristo!
Este personagem mítico da fé cristã inspira as pessoas há mais de 2 mil anos! As suas ações estão narradas na Bíblia e, muitas delas, mostram verdadeiros exemplos de como ser altruísta.
Jesus é conhecido por "ter morrido na cruz para livrar a humanidade de seus pecados". Metaforicamente, este ato santo de Cristo é a base do conceito do altruísmo: o sacrifício em prol do próximo, isso quer dizer, deixar de fazer algo pensando exclusivamente no seu bem-estar e contribuir para a felicidade alheia.
Saiba mais sobre o significado do Altruísmo.
Qual a sua principal fonte de inspiração para praticar o altruísmo? Aliás, você acha que é uma pessoa altruísta? Reflita sobre isso.

O que é Altruísmo:

 Resultado de imagem para autruismo

Altruísmo é o substantivo masculino com origem na palavra em francês altruisme que indica uma atitude de amor ao próximo ou ausência de egoísmo. Também pode ser usada como sinônimo de filantropia.
É também considerada uma doutrina ética que indica o interesse pelo próximo como um princípio "supremo" de moralidade.
Vários pensadores defenderam o conceito de altruísmo, sendo que alguns defenderam a atitude representativa do altruísmo sem usar essa palavra. Este foi o caso do filósofo alemão Ludwig Feuerbach. A palavra "altruísmo" propriamente dita foi criada pelo filósofo francês Auguste Comte para descrever um comportamento oposto ao egoísmo.
Uma pessoa altruísta é aquela que pensa nos outros antes de pensar em si própria. O altruísmo é uma das bases de várias doutrinas religiosas, como o Cristianismo, por exemplo. No caso do Cristianismo, o altruísmo é revelado através do amor ao próximo, um dos mandamentos deixados por Jesus (João 13:34). Apesar disso, o altruísmo não é uma atitude exclusiva de uma pessoa que segue uma religião e pode ser demonstrado por qualquer pessoa, sendo uma questão de moral.
Um indivíduo altruísta não é interesseiro, ou seja, não ajuda os outros com o objetivo de obter algum benefício em troca. No entanto, existe também o conceito de altruísmo recíproco, em que uma pessoa ajuda outra sabendo que no futuro essa pessoa poderá estar em condições para retribuir o favor.
A empatia e a ética consistem em dois dos fundamentos do altruísmo, porque é importante que uma pessoa se coloque no lugar da outra, entendendo o que ela está passando e atuando de acordo com isso.

quinta-feira, 30 de março de 2017

O que acontece nas casas espiritas??



Visando ajudar àqueles que não conhecem o Espiritismo, mostrarei abaixo o que se encontra numa casa Espírita verdadeira.

Palestras: todo Centro Espírita tem o seu momento de esclarecimento doutrinário. As exposições geralmente são sobre a Codificação Espírita e o Evangelho de Jesus, em uma ligação direta com nosso cotidiano. Não há nenhum ritual antes dos trabalhos, a não ser uma prece evocando a proteção de Jesus e dos bons Espíritos (geralmente, a oração é feita em pensamento). Em algumas oportunidades, antes ou no final das palestras, alguns grupos fazem a apresentação de corais musicais, quase sempre formados por grupos de jovens. Porém, este tipo de procedimento não é aconselhável, sendo indicado que seja praticado em datas e horários diferentes dos trabalhos Espirituais e de esclarecimento ao público, exatamente para se evitar confusões e mal-entendidos.

Trajes especiais: o Espiritismo não tem roupas especiais para os dias de trabalhos ou mesmo no dia-a-dia dos seus adeptos.

Comunicação particular com os Espíritos: Os grupos Espíritas têm reuniões específicas e íntimas para que os trabalhadores da casa fiquem aptos e preparados durante longos estudos, para que possam assim comunicar-se com os Espíritos. E através deles, obter informações do mundo Espiritual, orientações e mesmo ajudar no afastamento de perturbações espirituais que porventura estejam prejudicando alguém. Todo este cuidado baseia-se na orientação dos próprios Espíritos superiores, responsáveis pela elaboração do Espiritismo, como também no alerta de João, o Evangelista, que em sua 1ª Epístola, capítulo IV, versículo 1, diz: "Amados, não creiais em todos os Espíritos, mas provai se os Espíritos são de Deus". Agindo assim, o Centro Espírita evita o máximo possível a influência de Espíritos zombeteiros e maldosos, que muitas vezes vêem neste contato com os encarnados a oportunidade de tecer comentários mentirosos e doutrinas esdrúxulas. A seriedade de reuniões fechadas os intimida, favorecendo a presença dos Espíritos esclarecidos.

Há alguns tipos de trabalhos mediúnicos, principalmente de psicografia (escrita dos Espíritos através de médiuns), onde pessoas levam até lá o nome de entes desencarnados para tentarem a comunicação dos mesmos através da mediunidade, e ficam observando a manifestação. O médium Francisco Cândido Xavier, conhecido como Chico Xavier, da cidade mineira de Uberaba, foi um destes exemplos. Porém, nestes casos, o Espírito não se comunica diretamente com seu parente. Apenas influencia o médium, que escreverá, de forma discreta e ordenada, a mensagem do além.

Desenvolvimento cauteloso da mediunidade: a Doutrina Espírita explica que todo ser vivo tem mediunidade, pois é através dela que os encarnados recebem influências boas e más do mundo Espiritual, que servirão de ajuda ou aprendizado no decorrer de suas existências terrenas. São chamados de médiuns aqueles capazes de proporcionar a manifestação dos espíritos. O Espiritismo adverte que para poder ampliar esta ligação com o mundo Espiritual, é necessário que o médium passe por uma série de preparativos. Anos de estudo, maturidade, modificação moral constante, vida regrada, abstendo-se dos vícios mais grosseiros, como o fumo e a bebida, são algumas das regras básicas para que o indivíduo possa vir a desenvolver sua mediunidade, e estão contidas em "O Livro dos Médiuns".

Os Centros Espíritas verdadeiros não aconselham a pessoa a trabalhar mediunicamente sem antes passar por este período e preparação citados. Muito menos diz que alguém "precisa" desenvolver a mediunidade. Ninguém é obrigado a nada, afirma a Doutrina. Todos têm seu Livre-Arbítrio, e mesmo que o ser tenha um canal mediúnico amplo, próprio para o desenvolvimento da mediunidade, e não quiser desenvolvê-lo, não há problema. Tudo o que é forçado é prejudicial ao homem.

Desenvolvimento mediúnico forçado: se ao chegar a um ambiente Espiritualista lhe afirmarem que sua mediunidade "precisa" ser desenvolvida, caso contrário você sofrerá as consequências materiais e Espirituais; sua vida será um transtorno; que os Espíritos estão lhe chamando para o trabalho; que esta é a sua missão; com certeza este não é um local que segue a Doutrina Espírita.

Cuidado! Não há promessas de curas: o verdadeiro Centro Espírita não promete a cura para quem o procura. A Doutrina afirma que a cura de uma influência Espiritual ou doença material depende de uma série de fatores, entre os quais a modificação moral do enfermo, sua necessidade, seus problemas relacionados com encarnações anteriores e acima de tudo, se há ou não a permissão de Deus para que haja a solução da dificuldade.

Muitas vezes, o sofrimento é um período necessário para o ser refletir sobre sua existência, e o único que sabe quando é a hora disso terminar é o Criador. O que o Centro Espírita faz é um pronto-socorro aos necessitados de amparo e esclarecimento, é de todas as formas possíveis (orações, tratamentos Espirituais, passes, orientações morais e materiais) tenta minimizar o sofrimento alheio, rogando a Jesus que se o Pai permitir, que interceda junto ao indivíduo.

Promessas de cura: qualquer lugar que prometa a cura de problemas Espirituais ou materiais, sem levar em consideração os fatores já citados, não é um local Espírita. Condicionar uma cura à frequência exclusiva naquele ambiente, ao pagamento de dinheiro ou bens materiais, ou mesmo à "força da Casa" não tem base no Espiritismo e foge do bom senso que regula as leis de Deus. Estas, não podem ser modificadas de acordo com nossa vontade. Por isso, prometer algo que não depende apenas de nós mesmos beira a irresponsabilidade e pode levar a pessoa desesperada ao desequilíbrio total ou à descrença em Deus.

Passes simples: o passe é um método utilizado dentro dos Centros Espíritas. Nada mais é do que a simples imposição das mãos de médiuns sobre a fronte de outras pessoas, transmitindo-lhes fluidos magnéticos e Espirituais (energias positivas do próprio médium e de bons Espíritos), no intuito de fortalecer lhes o corpo e a parte Espiritual. Tem duração em média de 30 segundos a 01 minuto. Geralmente, é aplicado dentro de salas específicas, após a palestra, individual ou coletivamente, com o público sentado e o passista de pé.

Apenas são feitas orações, em pensamento, pelos médiuns, rogando o amparo de Jesus àqueles que estão recebendo os fluidos. Os passistas não ficam incorporados pelos Espíritos, apenas recebem sua influência mental e fluídica. Importante: nunca há necessidade do passista tocar a pessoa que recebe o passe. Toques, apertos, carícias têm grandes possibilidades de serem mal interpretados, gerando confusões, e por isso são dispensados no Centro Espírita.

Todo o serviço Espiritual é gratuito: o verdadeiro Centro Espírita não cobra nenhuma orientação ou ajuda Espiritual de seu público, nem condiciona o recebimento de curas ou salvação às doações. Dar de graça o que de graça receber, ensinou Jesus, em alusão aos conhecimentos Espirituais. Não aceita dinheiro por serviços prestados Mediunicamente. Seus dirigentes e trabalhadores têm profissões próprias, que lhes dão o sustento financeiro necessário para suas vidas. Quem sustenta materialmente a Casa Espírita são seus trabalhadores, através de doações mensais, destinadas ao pagamento de aluguéis, manutenção, divulgação doutrinária e aquisição de alimentos, roupas e demais objetos a serem distribuídos às famílias carentes ou instituições filantrópicas que sejam assistidas pelo grupo. Todo valor arrecadado será exposto em balanços mensais, para que tanto trabalhadores como frequentadores tenham acesso sobre onde é investido o dinheiro do Centro Espírita.

Caso algum frequentador da casa queira doar algo ao núcleo, é preferível que a doação seja feita em gêneros alimentícios, roupas, materiais de construção e afins, que poderão ser destinados aos carentes ou mesmo utilizados na manutenção da casa. Se houver por algum motivo uma doação em dinheiro, o Centro Espírita deverá fornecer um recibo ao doador e inscrever esta doação no balanço mensal do grupo.

Não podemos comprar a paz de Espírito e tranquilidade que buscamos, é isto que prega a Doutrina Espírita.

Um forte abraço, cheio de Paz e Luz.
 Resultado de imagem para casa espírita

SOBRE CHICO XAVIER

O mais famoso médium do Brasil foi Francisco Cândido Xavier, nascido em Pedro Leopolodo (MG) em 2 de abril de 1 910 e falecido (“desencarnado”, para os espíritas) em 30 de junho de 2 002. A mediunidade de Chico começou a se manifestar quando ele tinha apenas quatro anos de idade.

Pedro Leopoldo é uma cidade com cerca de 60 mil habitantes, localizada nas proximidades de Belo Horizonte. A casa onde Chico viveu até os cinco anos de idade, antes de mudar-se para Uberaba, foi transformada em museu.

A mãe de Chico Xavier faleceu quando ele era um garoto com apenas cinco anos. Pouco tempo depois, ele começou a “se comunicar” com o espírito da mãe. Foi uma época de sofrimento para o menino Chico, que estava sendo criado pela madrinha, que o castigava muito.

Com o novo casamento do pai, Chico e seus oito irmãos (que foram separados depois da morte da mãe) voltaram a morar juntos. A madrasta se prontificou a cuidar deles e Chico voltou a estudar.

A mediunidade trouxe sérios problemas para o jovem Chico. Ele virou motivo de acusações e chacotas na escola.

O pai de Chico chegou a pensar em interná-lo num hospital psiquiátrico por causa da sua mediunidade. Isso sem contar que foi chamado de endemoniado quando contou que conversava com espíritos.

Concluiu o ensino primário aos 14 anos de idade e nunca mais voltou a estudar.

Francisco iniciou os estudos do espiritismo aos 17 anos de idade. Segundo seus biógrafos, o espírito da mãe o teria aconselhado a ler a obra de Allan Kardec. Na mesma época, iniciou-se na prática da psicografia.

O primeiro contato com o espírito Emmanuel ocorreu em 1 931, quando Chico era um jovem de 21 anos.

Alguns pesquisadores acreditam que o espírito André Luiz é o médico e sanitarista Carlos Chagas, descobridor da doença de Chagas e morto aos 55 anos, vítima de infarto. Há quem acredite, no entanto, que André Luiz seja o neurologista Faustino Esposel, falecido com 43 anos.

Em 1 932, então com 22 anos, Chico Xavier lançou o livro Parnaso de Além-Túmulo, com poemas “psicografados” de grandes nomes da poesia brasileira. A primeira edição trazia apenas 60 poemas, que foram aumentando ao longo do tempo. Com a última edição, a quantidade de poemas saltou para 259.

Um dos autores brasileiros psicografados por Chico Xavier foi Humberto de Campos. Foram 12 obras de contos e crônicas escritas em nome do escritor maranhense. O curioso é que a família de Humberto de Campos entrou com um processo contra a Federação Espírita Brasileira reivindicando direitos autorais das obras.

Em 1 958, um sobrinho de Chico Xavier chamado Amauri Pena acusou o tio de charlatanismo. Ele mesmo, que chegou a afirmar que possuia mediunidade, negou ser um médium e tentou atingir diretamente Chico Xavier. Arrependido e com sérios problemas com o álcool, Amauri foi internado num hospital psiquiátrico em São Paulo, onde faleceu.

A obra mais vendida de Chico Xavier é o livro Nosso Lar, com mais de 1 milhão de exemplares.

Chico Xavier é um dos brasileiros mais traduzidos no exterior. Seus livros foram vertidos para mais de 50 idiomas, como inglês, francês, espanhol, alemão, árabe e até esperanto.

Chico Xavier teve, ao longo do tempo, diversos problemas de saúde: catarata, labirintite, hérnia de disco, angina e problemas de próstata. Mesmo assim, manteve-se na ativa durante toda a vida.

Chico recebeu mais de 100 títulos de cidadania ao longo da vida. Também foi eleito cidadão de Uberaba e escolhido um dos principais cidadãos mineiros do século XX.

Dizia que queria morrer em um dia “em que o Brasil estivesse” feliz. Pois foi justamente o que aconteceu. Chico Xavier “desencarnou” no dia 30 de junho de 2 002, quando o Brasil se consagrava campeão mundial pela Copa do Mundo da Coréia do Sul/Japão.

A produção Chico Xavier, o Filme estreou no dia em que Chico, se estivesse vivo, completaria 100 anos. Semanas depois, ele foi exibido no formato minissérie pela Globo.

Uma entrevista para o programa Pinga-Fogo, da extinta TV Tupi, em 28 de julho de 1 971, rendeu 75% de audiência para a emissora. O detalhe é que ela começou a ser exibida às 23h30 e só terminou às 3h da madrugada. Foi a maior audiência da TV brasileira até então.

O filme Nosso Lar foi a produção mais cara do cinema brasileiro, com orçamento de R$ 20 milhões. Só na primeira semana de exibição, Nosso Lar foi visto por mais de 1 milhão de pessoas.

Segundo a Federação Espírita Brasileira, Chico Xavier escreveu (ou psicografou, para os adeptos do espiritismo), mais de 400 livros e arrecadou R$ 300 milhões com suas obras. Chico, porém, não recebeu praticamente nenhum centavo com os direitos autorais. O dinheiro foi usado em obras de caridade.

Acredite se quiser, mas no período de maior atividade, ele chegou a escrever 14 livros por ano.

Uma carta psicografada por Chico chegou a servir de prova durante um julgamento. Acusado de matar seu melhor amigo com um tiro, o réu foi inocentado graças à essa mensagem enviada pelo médium. Nela, a vítima “desencarnada” confirmava a versão de que o disparo fora acidental.

Ao perder a filha e a neta ainda muito jovens, Tarsila do Amaral, um ícone do modernismo brasileiro, foi buscar amparo no espiritismo. A dor e a depressão causadas pela morte de ambas só foram vencidas graças ao apoio e as palavras de conforto de Chico Xavier.

Outras personalidades que procuraram Xavier em busca de conforto e/ou conselhos: Nair Bello, Glória Perez, Wanderléa, Xuxa, Roberto Carlos, Antônio Marcos, Clodovil e Juscelino Kubistchek.

Acredite se quiser, mas Chico morria de medo de viajar de avião.

Você sabia que 2 milhões de pessoas assinaram uma petição pela candidatura de Chico Xavier ao prêmio Nobel da Paz?

Em 1 944, os familiares de Humberto de Campos reivindicaram na justiça os direitos autorais dos livros psicografados com o seu nome por Chico Xavier. Perderam a causa.

Segundo os seus biógrafos, mais de 200 espíritos teriam se comunicado com Chico Xavier por meio das suas obras escritas. O principal deles, como sabemos, foi Emmanuel.

Ao longo da vida, recebeu em torno de 10 mil cartas ao longo da vida.

Quando chegou em Uberaba, Chico encontrou pouco mais de 10 centros espíritas. Hoje, existem mais de 100.

O velório de Chico Xavier foi acompanhado por mais de 200 mil pessoas.

Ao longo dos seus 92 anos de vida, Chico recebeu o título de Cidadão Honorário em mais de 100 cidades.

Numa enquete com voto popular realizada pelo SBT em 2 002, foi eleito o Maior Brasileiro de Todos os Tempos. Quatro anos depois, também numa eleição com a participação de milhares de pessoas feita pela revista Época, foi escolhido O Maior Brasileiro da História.

Fontes: Wikipédia, Revista das Religiões, Superinteressante.

A VIDA E O LEGADO DE ALLAN KARDEC

O nome verdadeiro do pedagogo, escritor e divulgador do espiritismo Allan Kardec era Hippolyte Léon Denizard Rivail.

Hippolyte Léon Denizard Rivail nasceu na cidade de Lyon, em 1 804, e faleceu em Paris, em 1 869. Localizada no centro-sul do país, Lyon é atualmente uma das maiores cidades da França.

Como pedagogo, chegou a lecionar astronomia, física, química e matemática, entre outras matérias.

O professor Rivail falava diversos idiomas, entre o quais o alemão, o inglês e o espanhol.

Segundo consta, Rivail começou a frequentar as reuniões espíritas por curiosidade. Mas em uma delas, um médium disse que ele foi em vidas passadas um celta chamado Allan Kardec e que deveria reunir os ensinamentos e conclusões dos últimos séculos numa doutrina que propagasse as ideias de Cristo. O evento mudou para sempre sua vida, levando-o a reunir esses ensinamentos no Livro dos Espíritos.

O professor Rivail adotou o pseudônimo de Allan Kardec também com o objetivo de diferenciar suas obras espíritas de seus trabalhos pedagógicos.

Kardec escrevia O Livro dos Espíritos depois do jantar, quando sobrava-lhe tempo. Ele foi escrito à luz de vela, usando caneta tinteiro.

O Livros dos Espíritos foi publicado pela primeira vez na França em 18 de abril de 1 857. Detalhe: Kardec consultou 10 médiuns enquanto escrevia e revisava o trabalho.

A primeira edição do Livro dos Espíritos, com cerca de 500 perguntas respondidas pelos médiuns consultados por Kardec – incluindo três meninas – demorou 20 meses para ficar pronto.

O livro que conhecemos hoje demorou um bocado para sair. Isso ocorreu porque novas revelações foram feitas por outros médiuns, que obrigaram Kardec a fazer uma nova revisão e a acrescentar mais perguntas. A segunda edição, definitiva, saiu com 1 019 perguntas.

Os princípios do espiritismo foram reunidos por Allan Kardec em cinco obras: O Livro dos Espíritos (1 857), O Livro dos Médiuns (1 859), O Evangelho Segundo o Espiritismo (1 863), O Céu e o Inferno (1 865) e A Gênese (1 868).

O túmulo de Allan Kardec é um dos mais visitados do cemitério Pére Lachaise, em Paris. O Pére Lachaise é famoso pela quantidade de celebridades sepultadas: Fredéric Chopin, Maria Callas, Edith Piaf, Marcel Proust, Amedo Modigliani… Detalhe: a maior parte dos turistas que visitam o túmulo de Kardec é brasileira.

Fontes: Wikipédia, EBiografias, Superinteressante.

SOBRE O ESPIRITISMO

O espiritismo é um conjunto de práticas, princípios e doutrinas que consideram o ser humano um ser imortal que alterna vivências e experiências no mundo material e no espiritual. Os seguidores do espiritismo acreditam na comunicação entre os vivos e os mortos e na doutrina da reencarnação.
A reencarnação é pregada e aceita por religiões como o jainismo, o budismo, o hinduísmo e algumas correntes do cristianismo. Muitos acreditam que os mortos reencarnam com o propósito de evoluir espiritualmente.
Povos da antiguidade como celtas e gregos costumavam “consultar” os mortos. Há, inclusive, uma passagem na obra de Homero em que o herói Ulisses consulta a alma de sua mãe.
O termo espiritismo é um neologismo criado pelo francês Hippolyte Léon Denizard Rivail (1 804-1 869), mais conhecido como Allan Kardec.
Segundo consta, Hippolyte Rivail começou a frequentar as reuniões espíritas por curiosidade. Mas em uma delas, um médium disse que ele foi um celta chamado Allan Kardec e que deveria reunir os ensinamentos e conclusões dos últimos séculos numa doutrina que propagasse as ideias de Cristo e trouxesse alívio para a humanidade. O evento mudou para sempre sua vida, levando-o a reunir os ensinamentos espíritas no Livro dos Espíritos.
O pedagogo e escritor Hippolyte Rivail adotou o pseudônimo de Allan Kardec também com o objetivo de diferenciar suas obras espíritas de seus trabalhos pedagógicos.
Allan Kardec afirmava que não escrevia livros espíritas, ele apenas “os codificava”.
Os princípios do espiritismo foram reunidos por Allan Kardec em cinco obras: O Livro dos Espíritos (de 1 857), O Livro dos Médiuns (1 859), O Evangelho Segundo o Espiritismo (1 863), O Céu e o Inferno (1 865) e A Gênese (1 868).
O fato é que Hippolyte Rivail escreveu livros de aritmética e gramática, além de programas de cursos de física, química, medicina e até astronomia.
O Livro dos Espíritos foi publicado por Allan Kardec pela primeira vez na França em 18 de abril de 1 857.
Allan Kardec consultou cerca de 10 médiuns para escrever e revisar O Livro dos Espíritos.
Os seguidores da doutrina revelada por Allan Kardec são chamados de kardecistas.
O túmulo de Allan Kardec é um dos mais visitados do cemitério Père Lachaise, em Paris. O Père Lachaise é famoso pela quantidade de celebridades sepultadas: Fredéric Chopin, Maria Callas, Edith Piaf, Marcel Proust, Amedeo Modigliani, Sarah Bernhardt, Oscar Wilde, Honoré de Balzac, Jim Morrison… A maior parte dos turistas que visita o túmulo de Kardec é brasileira.
O espiritismo nega o dogma da divindade de Jesus e aceita o seu caráter humano, o que tem provocado uma longa rejeição da parte de muitos cristãos, além de um severo atrito com a igreja católica. Livros espíritas chegaram a ser queimados em praça pública.
O espiritismo chegou ao Brasil em 1 860, sofrendo desde já grande preconceito. Só para se ter uma ideia, o Código Penal de 1 890 classificava-o como crime. Os primeiros centros espíritas surgiram apenas em 1 865.
Existe no Brasil uma cidade fundada exclusivamente por espíritas (ela cresceu a partir de um centro espírita). É a cidade de Palmelo, no estado de Goiás, a 58 quilômetros de Goiânia e com população atual de 2 500 habitantes.
Apesar da pátria-mãe do espiritismo ser a França, é no Brasil que a doutrina tem o maior número de adeptos. São 2,5 milhões de seguidores e outros milhões de simpatizantes.
Um dos maiores divulgadores da doutrina espírita no Brasil foi o médico, militar, escritor, jornalista e político Bezerra de Menezes, que começou a divulgar o Espiritismo pouco tempo depois da publicação da obra de Allan Kardec em português.
O mais famosos médium do Brasil foi Francisco Cândido Xavier, nascido em Uberaba (MG) em 2 de abril de 1 910 e falecido (“desencarnado”, para os espíritas) em 30 de junho de 2 002. A mediunidade de Chico começou a se manifestar quando ele tinha apenas quatro anos de idade.
A mãe de Chico Xavier faleceu quando ele era um garoto de cinco anos. Pouco tempo após a morte, ele começou a “se comunicar” com o espírito da mãe. Foi uma época de sofrimento para o menino Chico, que estava sendo criado pela madrinha, que o castigava muito.
Com o novo casamento do pai, Chico e seus oito irmãos (que foram separados depois da morte da mãe) voltaram a morar juntos. A madrasta se prontificou a cuidar deles e Chico voltou a estudar.
A mediunidade trouxe sérios problemas para o jovem Chico. Ele virou motivo de acusações e chacotas na escola. Seu pai cogitou em interná-lo.
Francisco iniciou os estudos do espiritismo aos 17 anos de idade. Segundo seus biógrafos, o espírito da mãe o teria aconselhado a ler a obra de Allan Kardec. Na mesma época, iniciou-se na prática da psicografia.
O primeiro contato com o espírito Emmanuel ocorreu em 1 931, quando Chico era um jovem de 21 anos.
Alguns pesquisadores acreditam que o espírito André Luiz é o médico e sanitarista Carlos Chagas, descobridor da doença de Chagas e morto aos 55 anos, vítima de infarto. Há quem acredite, porém, que André Luiz seja o neurologista Faustino Esposel, falecido com 43 anos.
Em 1 932, então com 22 anos, Chico Xavier lançou o livro Parnaso de Além-Túmulo, com poemas “psicografados” de grandes nomes da poesia brasileira. A primeira edição trazia apenas 60 poemas, que foram aumentando ao longo do tempo. Com a última edição, a quantidade de poemas saltou para 259.
Um dos autores brasileiros psicografados por Chico Xavier foi Humberto de Campos. Foram 12 obras de contos e crônicas escritas em nome do escritor maranhense. O curioso é que a família de Humberto de Campos entrou com um processo contra a Federação Espírita Brasileira reivindicando direitos autorais das obras.
Em 1 958, um sobrinho de Chico Xavier chamado Amauri Pena acusou o tio de charlatanismo. Ele mesmo, que afirmava ter mediunidade, negou ser um médium e tentou atingir diretamente Chico Xavier. Arrependido e com sérios problemas com o álcool, Amauri foi internado num hospital psiquiátrico em São Paulo, onde faleceu.
A obra mais vendida de Chico Xavier é o livro Nosso Lar, com mais de 1 milhão de exemplares.
Chico Xavier é um dos brasileiros mais traduzidos no exterior. Seus livros foram vertidos para mais de 50 idiomas, como inglês, francês, espanhol, alemão, árabe e até esperanto.
Chico Xavier teve, ao longo do tempo, diversos problemas de saúde: catarata, labirintite, hérnia de disco, angina e problemas de próstata. Mesmo assim, manteve-se na ativa durante toda a vida.
Chico Xavier recebeu mais de 100 títulos de cidadania ao longo da vida. Também foi eleito cidadão de Uberaba e escolhido um dos principais cidadãos mineiros do século XX.
Chico dizia que queria morrer em um dia “em que o Brasil estivesse” feliz. Pois foi justamente o que aconteceu. Chico Xavier “desencarnou” no dia 30 de junho de 2 002, quando o Brasil se consagrava campeão mundial pela Copa do Mundo da Coréia do Sul/Japão.
A produção Chico Xavier, o Filme estreou no dia em que Chico, se estivesse vivo, completaria 100 anos.
O filme Nosso Lar foi a produção mais cara do cinema brasileiro, com orçamento de R$ 20 milhões. Só na primeira semana de exibição, Nosso Lar foi visto por mais de 1 milhão de pessoas.
Segundo a FEB, Chico Xavier escreveu (ou psicografou, para os adeptos do espiritismo), mais de 400 livros e arrecadou R$ 300 milhões com suas obras. Chico, porém, não recebeu praticamente nada de direitos autorais. O dinheiro foi usado em obras de caridade.
Um dos escritores espíritas que maior sucesso atualmente é a paulista Zíbia Gasparetto, autoras dos clássicos O Amor Venceu e Laços Eternos. Só Laços Eternos vendeu cerca de 1 milhão de exemplares
Zíbia Gasparetto é mãe do famoso médium e também Luiz Antônio Gasparetto. Luiz Antônio é conhecido por “incorporar” artistas plásticos famosos e pintar quadros atruibuídos a eles. Entre os pintores que ele afirma incorporar estão Picasso, Modigliani, Renoir, Rembrandt e Monet.
As cirurgias espirituais são muito populares no Brasil. Um dos mais famosos médiuns cirurgiões foi o mineiro José Pedro de Freitas (1 822-1 971), mais conhecido como Zé Arigó. O espírito que ele afirmava incorporar era o do médico alemão Aldolph Fritz, supostamente morto na época da I Guerra Mundial.
Zé Arigó chegava a receber por volta de 200 pessoas por dia na clínica que fundou na cidade de Congonhas, em Minas Gerais. Grande parte desses “pacientes” afirmaram ter sido curados por Arigó.
Acusado de curandeirismo pela Associação Médica de Minas Gerais, Arigó foi condenado a 15 meses de prisão. Graças a um indulto recebido do ex-presidente Juscelino Kubistcheck, o médium sequer chegou a ser preso.
Assim como muitos médiuns que realizam as chamadas cirurgias espirituais, Zé Arigó utilizava bisturis, canivetes e outros utensílios e operava as pessoas que recebia sem a utilização de anestesia.
Zé Arigó não foi o único a “receber” o suposto espírito de Dr. Fritz. Vários médiuns afirmaram incorporar o médico alemão, entre os quais Edivaldo Wilde, Maurício Magalhães, Rubens Farias Júnior e Edson Queiroz.
Realizados por médiuns, os tratamentos espirituais não são feitos apenas com bisturi e outros instrumentos cortantes. Existem, na verdade, diversos tipos de tratamento: por passes, com “água fluidificada” (segundo a crença, é água com depósito de fluidos espirituais benéficos), apometria (através do qual, afirmam seus adeptos, a pessoa é tratada no mundo espiritual) e homeopatia. Os mais populares são os passes e o receituário homeopático.
O passe consiste na imposição das mãos feitas pelo médium. Na crença espírita, o passista (a pessoa que faz a imposição) teria o poder de canalizar “fluidos” ou “energias” benéficos para o recebedor.
O termo espiritismo foi amplamente adotado por umbandistas e praticantes de outras religiões afro-brasileiras. A própria Federação Espírita Brasileira chegou a declarar que os umbandistas realmente são espíritas.
De fato, existem mais semelhanças do que diferenças entre a doutrina espírita e o umbandismo. São elas: a comunicação dos mortos com os vivos, a evolução do espírito através da reencarnação e a prática da caridade.
Convertido ao espiritismo, o escritor Arthur Conan Doyle dedicou os últimos anos de sua vida à religião. Além de escrever em defesa da doutrina espírita, Conan Doyle dava palestras sobre o assunto. A conversão do criador de Sherlock Holmes foi motivada pela perda traumática de um parente querido.
Victor Hugo conheceu o espiritismo na década de 1 850. O escritor e poeta francês participou de sessões espíritas em que eram recebidas mensagens de pessoas famosas e personalidades da cultura como Moliére e Shakespeare. Mais tarde, Hugo escreveria o livro Conversando com a Eternidade, em que relata seu conhecimento e suas experiências no espiritismo.
Ao perder a filha e a neta ainda muito jovens, Tarsila do Amaral, um ícone do modernismo brasileiro, foi buscar amparo no espiritismo. A dor e a depressão causadas pela morte de ambas só foram vencidas graças ao apoio e as palavras de conforto do médium Chico Xavier.
A cantora Edith Piaf, eterno mito da música francesa, também se tornou adepta do espiritismo pelo mesmo motivo: a perda de uma pessoa querida.
Os seguidores do espiritismo acreditam em vida fora da Terra, especialmente em outros planetas.